Uma breve história do Ubuntu Touch

31 de outubro de 2020

Percebendo a tendência da tecnologia, o Ubuntu tentou criar um sistema operacional móvel baseado em Linux. O primeiro anúncio veio uma década atrás e seis anos depois, o Ubuntu fechou as cortinas do projeto.

O que deu errado? Como isso começou? O Ubuntu Touch ainda está vivo? Vamos dar uma olhada na história do Ubuntu Touch em ordem cronológica.

Shuttleworth anuncia o Ubuntu Touch

Dispositivos Ubuntu Touch

O Projeto Ubuntu Touch começou com um post no blog do fundador da Canonical Mark Shuttleworth. A postagem do blog, datada de 31 de outubro de 2011, começou com uma previsão ousada:

“Até 14.04 LTS, o Ubuntu irá alimentar tablets, telefones, TVs e telas inteligentes do carro à cozinha do escritório e conectará esses dispositivos de forma limpa e perfeita para o desktop, o servidor e a nuvem.”

Shuttleworth explicou que essa mudança seria realizada principalmente por meio do uso do novo ambiente de desktop da empresa, o Unity. (O Unity foi introduzido no Ubuntu 10.10.)

“O Unity, a interface de desktop no Ubuntu 11.10 de hoje, foi projetado com essa visão específica em mente.”

A ideia por trás do Unity era criar uma interface que funcionasse em diferentes resoluções de tela.

“Os elementos centrais do Unity são organizados exatamente da maneira que precisamos para criar coerência em todos esses dispositivos. Esta foi a origem do nome Unity: uma estrutura de interface de núcleo único, que se escala em todas as telas e oferece suporte a todos os kits de ferramentas. ”

Shuttleworth disse que essa mudança foi motivada pelo uso crescente de dispositivos móveis. “Não se engane. Assim como o mundo está mudando para os fabricantes, também está mudando para as distribuições Linux. Hoje, 70% das pessoas no Egito acessam a Internet exclusivamente pelo telefone. Mesmo nos Estados Unidos, esse número é de surpreendentes 25%.”

Ubuntu Touch é lançado para o mundo

Ubuntu Touch Tablet

O ambiente de desktop Unity foi originalmente introduzido na versão netbook do Ubuntu 10.10. No entanto, a interface do telefone não seria vista pelo público até 2013. Mark Shuttleworth fez uma demonstração na CES 2013.

Ubuntu Touch 1.0 foi incorporado ao Ubuntu 13.10 release. Esta versão oferece suporte principalmente para "Galaxy Nexus e Nexus 4 phone", com outras imagens também disponíveis.

Os requisitos do sistema para o Ubuntu Touch eram mais ou menos assim:

Ubuntu smartphone de nível básico

  • Arquitetura de processador: 1Ghz Cortex A9
  • Memória: 512MB - 1GB
  • Armazenamento Flash: 4-8GB eMMC + SD
  • Multi-touch: Sim
  • Convergência da área de trabalho: Não

Ubuntu “superphone” de nível avançado

  • Arquitetura de processador: Quad-core A9 ou Intel Atom
  • Memória: Min 1GB
  • Armazenamento Flash: Min 32GB eMMC + SD
  • Multi-touch: Sim
  • Convergência da área de trabalho: Sim

Convergência do tablet Ubuntu em ação

Conceito de convergência

Observação: o último item da lista acima (convergência da área de trabalho) pode ser uma ideia nova para algumas pessoas. Isso significa que você pode usar o dispositivo Ubuntu Touch como um telefone, mas também pode conectá-lo a um monitor, teclado e mouse para usá-lo como desktop. Infelizmente, o Ubuntu Touch nunca ganhou esse recurso.

Ubuntu tenta fazer um crowdfund de um telefone

Para mostrar como seria um telefone Ubuntu ideal, a Canonical iniciou uma campanha de crowdfunding para financiar o Ubuntu Edge em 22 de julho de 2013. A meta era arrecadar $ 32 milhões em um mês para produzir 40.000 dispositivos.

plugin:youtube

De acordo com a página da campanha, a Canonical esperava usar o novo dispositivo “para fornecer uma plataforma de baixo volume e alta tecnologia, com financiamento coletivo por entusiastas e profissionais de computação móvel. Um projeto pioneiro que acelera a adoção de novas tecnologias e as leva para a corrente principal. ”

O Ubuntu Edge foi considerado de ponta na época com as seguintes especificações:

  • Sistema operacional como celular: Dual-boot com Android e Ubuntu Mobile
  • Sistema operacional como desktop: Ubuntu Desktop
  • RAM: 4GB
  • Armazenamento interno: 128GB
  • Tela: 720 x 1,280, 4.5 polegadas
  • Proteção: Sapphire Glass
  • Conectividade: Dual-LTE, GSM
  • Alto-falantes: Estéreo
  • Bateria: Silicon-anode Li-ion
  • Preço: $695

Curiosamente, várias grandes empresas prometeram dinheiro. Por exemplo, Bloomberg prometeu $ 800.000. Eles fizeram essa promessa porque acreditavam que o Ubuntu Touch “poderia beneficiar seus clientes e o futuro da computação de produtos/serviços relevantes para dispositivos móveis”.

No final das contas, a campanha não atingiu seu objetivo. Só atingiu US $ 12,7 milhões ou 37% da meta. O valor arrecadado foi o maior que uma campanha de crowdfunding já viu.

Ubuntu Touch entra em produção (mais ou menos)

Embora a Canonical não tenha conseguido fazer seu próprio hardware, ela continuou trabalhando na parte do software, ou seja, desenvolvendo o sistema operacional móvel Ubuntu Touch.

Ubuntu Touch será lançado na próxima semana

O Ubuntu Touch foi lançado para fabricantes de dispositivos em 2014. Nesse mesmo ano, dois fabricantes de dispositivos comprometeram-se telefones. Essas duas empresas, a chinesa Meizu e a espanhola BQ, não eram exatamente nomes familiares globais, mas Shuttleworth disse que tudo fazia parte do plano.

“Embora estejamos felizes em trabalhar com nomes familiares, queremos nos envolver com parceiros para os quais podemos ser uma parte significativa de sua história, em vez de sermos anexados à história mais complicada de outras marcas.” *

Ambas as empresas produziram e lançaram vários telefones com Ubuntu Touch como sistema operacional principal. A BQ também lançou um tablet Ubuntu Touch. No entanto, nenhum outro fabricante se inscreveu para fazer dispositivos Ubuntu Touch.

Canonical descontinua o Ubuntu Touch

Unity8 Ubports

O Unity 8 estava em beta quando o Ubuntu descontinuou o projeto Unity e Touch

No início de abril de 2017, Mark Shuttlefcworth fez outro anúncio. Depois de mencionar que a Canonical teve um “trimestre excelente e ano excelente”, Shuttleworth anunciou o fim do Ubuntu Touch and Unity. “Estou escrevendo para informar que encerraremos nosso investimento no Unity8, o telefone e a plataforma de convergência.” Em vez disso, a Canonical se concentraria no Ubuntu para desktop.

Ele continuou:

Eu considerei que, se convergência fosse o futuro e pudéssemos entregá-la como software livre, isso seria amplamente apreciado tanto na comunidade de software livre quanto na indústria de tecnologia, onde há uma frustração substancial com as alternativas existentes e fechadas disponíveis para os fabricantes. Eu estava errado nas duas contas. Na comunidade, nossos esforços foram vistos como fragmentação, não inovação. E a indústria não concordou com a possibilidade, em vez disso, adotou uma abordagem "melhor o diabo que você já conhece" para esses formatos ou investiu em plataformas caseiras. O que a equipe Unity8 entregou até agora é lindo, utilizável e sólido, mas eu respeito os mercados e a comunidade que decidem quais produtos crescem e quais desaparecem.

Ele encerrou dizendo que foi uma decisão difícil de tomar por causa de sua forte crença no futuro da convergência.

A comunidade mantém o projeto vivo

Quando o anúncio de Shuttleworth chegou à Internet, todos os apoiadores do Ubuntu Touch ficaram chocados. Muitos não tinham certeza do que aconteceria com os dispositivos que possuíam. Felizmente, a comunidade veio ao resgate.

UBports

Pouco depois do anúncio de Shuttleworth, Marius Gripsgård anunciou que a equipe do UBports manteria o Ubuntu Touch vivo. UBports já era bem conhecido na comunidade Ubuntu Touch por seu trabalho de portá-lo para mais dispositivos.

Vários outros projetos tentaram fazer o mesmo com a versão desktop do Unity, mas a maioria não durou muito. Um deles tinha o nome inventivo de Yunit, mas acho que não é mais desenvolvido ativamente.

UBports é o único projeto que está mantendo o Ubuntu Touch vivo trabalhando continuamente em seu desenvolvimento.

Conclusão

O Ubuntu Touch não foi o sucesso que a Canonical desejava. Era muito cedo para o mercado. No entanto, ele lançou as bases para os telefones Linux que temos agora.

Eu acredito que o telefone PinePhone e o Purism Librem 5 não teriam surgido sem o Ubuntu Touch despertar o interesse em um telefone Linux. Ao mesmo tempo, os engenheiros e programadores da Canonical resolveram problemas que estabeleceram as bases para esses telefones modernos. Você não obtém sucesso sem algumas falhas ao longo do caminho.

Se você achou este artigo interessante, reserve um minuto para compartilhá-lo nas redes sociais, Hacker News ou Reddit.

Confira também a versão original desse post em inglês
Esse post foi originalmente escrito por John Paul e publicado no site itsfoss.com. Traduzido pela rtland.team

A Brief History of Ubuntu Touch

Propaganda
Blog Comments powered by Disqus.
Propaganda