Open Usage Commons: Iniciativa do Google para gerenciar marcas registradas para projetos de código aberto entra em polêmica

16 de setembro de 2020

Em julho, o Google anunciou uma nova organização chamada Open Usage Commons. O objetivo da organização é ajudar “os projetos a proteger sua identidade por meio de programas como gerenciamento de marcas e diretrizes de uso”.

O Google acredita que “criar uma propriedade neutra e independente para essas marcas registradas dá aos colaboradores e consumidores tranquilidade em relação ao uso de nomes de projetos de forma justa e transparente”.

Open Usage Commons e a controvérsia com a IBM

Tudo parece bom em teoria, certo? Mas logo após o anúncio do Google Open Usage Commons, a IBM fez uma objeção.

O problema é que o Google incluiu o projeto Istio no Open Usage Commons. A IBM é um dos membros fundadores do projeto Istio e quer que o projeto esteja sob governança aberta com CNCF.

Em nome do blog "It's FOSS" , tive uma rápida interação com Heikki Nousiainen, CTO da Aiven para esclarecer um pouco sobre todo o episódio do Open Usage Commons.

O que o Open Usage Commons está tentando fazer?

Heikki Nousiainen: O objetivo declarado do Open Usage Commons (OUC) do Google é fornecer uma organização neutra e independente para projetos de código aberto para hospedar e gerenciar suas marcas registradas. Ao aplicar os princípios do software de código aberto às marcas registradas, isso proporcionará transparência e consistência. A ideia é que isso levará a um ecossistema mais vibrante para os usuários finais, porque os fornecedores e desenvolvedores podem construir com segurança algo que depende das marcas dos projetos.

Embora outras fundações, como a Cloud Native Computing Foundation (CNCF) e a Apache Foundation, forneçam algumas orientações sobre marcas registradas, a OUC fornece mais precisão e consistência no que constitui uso justo para fornecedores. Isso evita o que geralmente foi deixado para os projetos individuais decidirem, o que resultou em um confuso emaranhado de diretrizes.

Além disso, é provável que seja uma tentativa do Google de evitar situações semelhantes às que a Amazon Web Services (AWS) enfrentou com o Elasticsearch, por exemplo, onde as marcas registradas parecem ser cada vez mais usadas para prevenir exatamente o que o Google está tentando realizar com esta base, um relativamente uso aberto de identificadores de marca de projeto por fornecedores concorrentes .

Quais são os problemas em torno do Commons?

Heikki Nousiainen: A principal controvérsia envolve a questão de por que o Istio não foi colocado sob a governança CNCF, já que a IBM estava claramente esperando que fosse colocado sob um modelo de Governança Aberta assim que amadurecesse.

No entanto, o Open Usage Commons não afeta o modelo de governança de forma alguma. O Google, é claro, tem incentivos para poder confiar que podem utilizar as marcas e marcas registradas reconhecidas para ajudar os clientes a reconhecer os serviços desenvolvidos com base nessas tecnologias familiares.

Como isso afetará o mundo do código aberto, tanto os impactos positivos quanto os negativos?

Heikki Nousiainen: Resta saber qual será o impacto a longo prazo devido ao fato de que os únicos projetos membros são atualmente conduzidos pelo Google. Embora polêmico, não parece que os temores de que o Google seja capaz de exercer um controle efetivo sobre os projetos dos membros se materializem.

Uma pergunta mais reveladora é: "Quem provavelmente participará?" Uma coisa é certa, isso vai desencadear uma discussão há muito esperada sobre como as marcas registradas de código aberto devem ser usadas ao mudar de pacotes de software para serviços oferecidos na nuvem.

Parece que alguns grandes participantes terão controle sobre a definição de 'marcas registradas de código aberto'?

Heikki Nousiainen: Apesar de toda a controvérsia sobre o licenciamento, grandes participantes neste espaço foram e continuarão sendo fundamentais para garantir os recursos e o suporte necessários para que a comunidade de código aberto prospere.

Embora haja algum interesse próprio aqui, a criação de veículos como este não constitui necessariamente uma tentativa de impor controle injustificado sobre os projetos. Como um software voltado para a comunidade, todos devem trabalhar lado a lado para alcançar o sucesso.

Pessoalmente, acho que o plano de longo prazo do Google é proteger o Google Cloud Platform de possíveis processos judiciais sobre o uso de marcas registradas e marcas de projetos de origem populares.

O que você acha de todo o episódio do Open Usage Commons?

Confira também a versão original desse post em inglês
Esse post foi originalmente escrito por Abhishek Prakash e publicado no site itsfoss.com. Traduzido pela rtland.team

Open Usage Commons: Google’s Initiative to Manage Trademark for Open Source Projects Runs into Controversy

Propaganda
Blog Comments powered by Disqus.
Propaganda