Mozilla despede 25% de sua força de trabalho: o que isso nos diz sobre seu futuro

14 de agosto de 2020

A Mozilla voltou a ser notícia, mas não por boas razões.

Mozilla demitiu repentinamente cerca de 250 funcionários, 25% de sua força de trabalho. Também fechou operações em Taipei, Taiwan. A equipe taiwanesa estava trabalhando no Firefox Lite.

Esta não é a primeira dispensa da Mozilla este ano. No início do ano, a Mozilla dispensou 70 funcionários.

Então, o que está acontecendo com o Mozilla? Seja o que for, certamente não é positivo.

A Mozilla demitiu equipes inteiras (ou a maioria) trabalhando em DevTools, MDN, relação do desenvolvedor, Servo (mecanismo do navegador escrito em Rust) e gerenciamento de ameaças de incidentes.

Por que fez isso? O que está por vir para a Mozilla? Aqui está minha opinião sobre a crise do Mozilla.

O declínio gradual do Mozilla: ignorando seu projeto principal do navegador Firefox

O Mozilla Firefox já teve uma boa base de usuários. Era visto como um navegador superior e parecia que iria destronar o Internet Explorer como o navegador mais popular.

Isso teria acontecido se não fosse pelo Google Chrome. O gigante da tecnologia Google e sua liderança "pensando no futuro" lançaram o Google Chrome em 2008.

O objetivo era fazer com que mais e mais pessoas usassem seu mecanismo de pesquisa. Como um usuário acessa o mecanismo de pesquisa? Por meio de um navegador da web.

Assim, em vez de depender de outros navegadores, o Google criou seu próprio navegador e integrou seus produtos a esse novo navegador. O Google contratou vários engenheiros da Mozilla para trabalhar em seu navegador. O atual CEO do Google, Sundar Pichai, liderou a equipe de desenvolvimento do navegador Chrome.

Mas o Google não parou apenas depois de criar o Chrome em 2008. O Google, com todo o seu poder técnico e inteligência, continuou a melhorar o navegador Chrome.

Logo o Google Chrome ultrapassou o Firefox e posteriormente o Internet Explorer para se tornar o navegador da web mais popular.

A ascensão e queda do navegador Mozilla Firefox #opensource. pic.twitter.com/Co5Xj3dKIQ

  • Abhishek Prakash (@abhishek \ _foss) 22 de março de 2017 Mas o que aconteceu com o Mozilla Firefox? É minha opinião que a Mozilla perdeu o foco no navegador Firefox. Eles investiram tempo e energia na criação do Firefox mobile OS, linguagem de programação Rust, aplicativo de chat de vídeo Hello e muito mais.

Não é que não tenha adicionado novos recursos, é apenas que o Firefox começou a perder o charme.

O Chrome teve uma experiência mais rápida, enquanto o Firefox parecia lento e pesado. A prática maligna do Google de desacelerar deliberadamente produtos do Google como o YouTube no Firefox também fez com que os usuários abandonassem o Firefox.

O que quer que seja. A verdade é que o Google Chrome é um produto superior, caso contrário, as pessoas não o instalarão por conta própria. Afinal, a Microsoft não conseguia manter os usuários do Windows no Internet Explorer/Edge.

O Google segura o Mozilla pelo pescoço e pode apertá-lo à vontade

Mozilla Struggling Se você não sabia, a Mozilla depende muito do Google, com cerca de 90% de sua receita proveniente do Google. O Google paga à Mozilla algumas centenas de milhões de dólares americanos a cada ano para ser o mecanismo de pesquisa padrão no Firefox.

O negócio foi útil para o Google quando o Firefox tinha uma boa base de usuários. Com o advento do Google Chrome, o Firefox teve um declínio acentuado e agora está na terceira posição, com quase 8% da participação de mercado. O Google Chrome domina o mercado.

O Google não precisa da ajuda do Firefox para obter tráfego para seu mecanismo de busca, mas o Mozilla precisa do dinheiro do Google para se manter vivo.

Um dia depois das demissões, o Google estendeu o acordo de pesquisa do Firefox com a Mozilla. Se o Google não tivesse renovado seu acordo com a Mozilla, teria sido muito difícil para a Mozilla ir além de 2020.

O foco renovado da Mozilla em produtos que podem render dinheiro

A Mozilla Foundation é uma organização sem fins lucrativos, mas também possui uma subsidiária tributável na forma de Mozilla Corporation. O navegador Firefox é desenvolvido sob a Mozilla Foundation. O lucro obtido pela Mozilla Corporation é reinvestido em projetos Mozilla.

Ultimamente, a Mozilla está se esforçando para criar novos canais de receita para acabar com sua dependência do Google. Sua aquisição do aplicativo Pocket e o lançamento do Mozilla VPN faz parte dessa estratégia.

As recentes demissões também fazem parte da nova estratégia da Mozilla de focar em produtos lucrativos e reduzir a força de trabalho destinada a reduzir as despesas.

Mas em meio a tudo isso, a Mozilla não deve ignorar o Firefox. As pessoas precisam de um navegador funcionando e o Mozilla deve trabalhar para melhorar a experiência do usuário. Se os usuários tiverem problemas para rodar o Netflix ou o YouTube ou usar outros serviços de streaming nesta era, eles definitivamente mudarão.

Além de ser o projeto principal da Mozilla, é também a maior esperança para quem não quer o Google. Edge, Opera, Vivaldi, Brave e a maioria dos outros navegadores populares da Microsoft mudaram para o projeto Chromium do Google. O Firefox é um dos raros navegadores que não depende do Chromium.

Espero que o Mozilla renasça das cinzas como uma Fênix.

Essas eram minhas opiniões sobre a situação da Mozilla. Congratulo-me com o seu na seção de comentários.

Confira também a versão original desse post em inglês
Esse post foi originalmente escrito por Abhishek Prakash e publicado no site itsfoss.com. Traduzido pela rtland.team

What Does Mozilla Firing 25% of its Workforce Tells us About its Future

Propaganda
Blog Comments powered by Disqus.
Propaganda