Comandos básicos de rede do Linux que você deve conhecer

8 de setembro de 2016

! [comandos básicos de rede no Linux](Basic-Networking-Commands-Linux.webp) comandos básicos de rede no Linux

Uma coleção dos mais importantes, porém comandos básicos de rede do Linux *que um aspirante a Linux SysAdmin e entusiastas do Linux devem conhecer.

Não é todo dia na It’s FOSS que falamos sobre o lado da linha de comando do Linux. Basicamente, eu me concentro mais no lado do desktop do Linux. Mas, como alguns de vocês, leitores, apontaram na pesquisa interna (exclusiva para assinantes do boletim informativo It’s FOSS), que você também gostaria de aprender alguns truques de linha de comando. As folhas de cola também foram apreciadas e incentivadas pela maioria dos leitores.

Para isso, compilei uma lista dos comandos básicos de rede no Linux. Não é um tutorial que ensina como usar esses comandos, em vez disso, é uma coleção de comandos e sua breve explicação. Portanto, se você já tiver alguma experiência com esses comandos, poderá usá-los para lembrar-se rapidamente dos comandos.

Você pode marcar esta página para referência rápida ou até mesmo baixar todos os comandos em PDF para acesso offline.

Eu tinha essa lista de comandos de rede do Linux quando era estudante de Engenharia de Sistemas de Comunicação. Isso me ajudou a obter a pontuação máxima no curso Redes de Computadores. Espero que ajude você da mesma forma.

Bônus exclusivo: Baixe o cheatsheet do comando de rede do Linux para referência futura. Você pode imprimi-lo ou salvá-lo para visualização offline. Lista de comandos básicos de rede no Linux

Usei o FreeBSD no curso de rede de computadores, mas os comandos do UNIX devem funcionar da mesma forma no Linux.

Conectividade:

ping - envia uma mensagem de eco ICMP (um pacote) para um host. Isso pode continuar continuamente até você clicar em Control-C. Ping significa que um pacote foi enviado de sua máquina via ICMP e ecoado no nível de IP. ping informa se o outro host está ativo.

telnet host —- converse com hosts no número de porta fornecido. Por padrão, a porta telnet é a porta 23. Algumas outras portas famosas são: 7 - porta de eco, 25 - SMTP, use para enviar e-mail 79 - Finger, fornece informações sobre outros usuários da rede

Use control-] para sair do telnet.

Arp:

Arp é usado para converter endereços IP em endereços Ethernet. O Root pode adicionar e excluir entradas ARP. Excluí-los pode ser útil se uma entrada ARP estiver malformada ou simplesmente errada. As entradas de Arp explicitamente adicionadas pelo root são permanentes - também podem ser por proxy. A tabela arp é armazenada no kernel e manipulada dinamicamente. As entradas de ARP são armazenadas em cache e expiram e são excluídas normalmente em 20 minutos.

arp –a: Imprime a tabela arp arp –s [pub] para adicionar uma entrada na tabela arp –a –d para excluir todas as entradas na tabela ARP

Roteamento:

netstat –r —- Imprimir tabelas de roteamento. As tabelas de roteamento são armazenadas no kernel e usadas pelo ip para rotear pacotes para redes não locais. route add —- O comando route é usado para definir um caminho de rota estática (não dinâmica à mão) nas tabelas de rota. Todo o tráfego deste PC para aquele IP/Sub-rede passará pelo IP do Gateway fornecido. Também pode ser usado para definir uma rota padrão; ou seja, enviar todos os pacotes para um determinado gateway, usando 0.0.0.0 no ritmo de IP/Sub-rede. roteado —– O daemon BSD que faz roteamento dinâmico. Iniciado na inicialização. Isso executa o protocolo de roteamento RIP. ROOT ONLY. Você não poderá executar isto sem acesso root. gated —– Gated é um daemon de roteamento alternativo ao RIP. Ele usa os protocolos OSPF, EGP e RIP em um só lugar. ROOT ONLY. traceroute —- Útil para rastrear a rota de pacotes IP. O pacote faz com que as mensagens sejam enviadas de volta de todos os gateways entre a origem e o destino, aumentando o número de esperanças em 1 cada vez. netstat –rnf inet: exibe as tabelas de roteamento de IPv4 sysctl net.inet.ip.forwarding = 1: para habilitar o encaminhamento de pacotes (para transformar um host em um roteador) route add | delete [-net | -host] (ex. route add 192.168.20.0/24 192.168.30.4) para adicionar uma rota route flush: remove todas as rotas route add -net 0.0.0.0 192.168.10.2: para adicionar uma rota padrão routed -Pripv2 –Pno_rdisc –d [-s | -q] para executar daemon roteado com protocolo RIPv2, sem autodetecção ICMP, em primeiro plano, em fornecimento ou em modo silencioso route add 224.0.0.0/4 127.0.0.1: define a rota usada a partir de RIPv2 rtquery –n: para consultar o daemon RIP em um host específico (atualizar manualmente a tabela de roteamento)

Outras:

nslookup —- Faz consultas ao servidor DNS para traduzir o IP em um nome ou vice-versa. por exemplo. nslookup facebook.com fornece o IP do facebook.com ftp water —– Transferir arquivos para o host. Freqüentemente, pode usar login = anônimo, p/w = convidado rlogin -l —– Efetua login no host com um terminal virtual como telnet

Arquivos importantes:

/etc/hosts —- nomes para endereços IP /etc/networks —- nomes de rede para endereços IP /etc/protocol —– nomes de protocolo para números de protocolo /etc/services —- nomes de serviço tcp/udp para números de porta

Ferramentas e análise de desempenho de rede

ifconfig

[up]: inicia a interface ifconfig [down | delete]: para a interface etéreo e: permite abrir o fundo etéreo, não o primeiro plano tcpdump –i -vvv: ferramenta para capturar e analisar pacotes netstat –w [segundos] –I [interface]: exibe as configurações e estatísticas da rede udpmt –p [porta] –s [bytes] target_host: cria tráfego UDP udptarget –p [porta]: é capaz de receber tráfego UDP tcpmt –p [porta] –s [bytes] target_host: cria tráfego TCP tcptarget –p [port] é capaz de receber tráfego TCP

Troca:

ifconfig sl0 srcIP dstIP: configure uma interface serial (faça slattach –l/dev/ttyd0 antes, e sysctl net.inet.ip.forwarding = 1 depois) telnet 192.168.0.254: para acessar o switch de um host em sua sub-rede sh ru ou show running-configuration: para ver as configurações atuais configurar terminal: para entrar no modo de configuração exit: para ir para o modo de configuração inferior

VLAN:

vlan n: cria uma VLAN com ID n sem vlan N: exclui a VLAN com ID N Y não marcado: adiciona a porta Y à VLAN N ifconfig vlan0 create: cria interface vlan0 ifconfig vlan0 vlan ID vlandev em0: associa a interface vlan0 na parte superior de em0 e define as tags para ID ifconfig vlan0 [up]: para ligar a interface virtual Y etiquetado: adiciona à porta Y o suporte de frames etiquetados para a VLAN atual

UDP/TCP

socklab udp - executa socklab com protocolo udp sock - cria um soquete udp, é equivalente a digitar sock udp e ligar sendto <port #> - emissão de pacotes de dados recvfrom <byte #> - recebe dados do socket socklab tcp - executa socklab com protocolo tcp passivo - cria um socket em modo passivo, é equivalente a socklab, sock tcp, bind, listen aceitar - aceita uma conexão de entrada (pode ser feito antes ou depois de criar a conexão de entrada) connect <port #> - esses dois comandos são equivalentes a socklab, sock tcp, bind, connect close - fecha a conexão leia <byte #> - para ler bytes no soquete escreva (ex. escreva ciao, ex. escreva # 10) para escrever ciao ou para escrever 10 bytes no soquete

NAT/Firewall

rm /etc/resolv.conf - evita a resolução de endereços e garante que as regras de filtragem e firewall funcionem corretamente ipnat –f file_name - grava regras de filtragem no arquivo_name ipnat –l - fornece a lista de regras ativas ipnat –C –F - reinicializa a tabela de regras map em0 192.168.1.0/24 -> 195.221.227.57/32 em0: mapeamento de endereços IP para a interface map em0 192.168.1.0/24 -> 195.221.227.57/32 portmap tcp/udp 20000: 50000: mapeamento com porta ipf –f file_name: grava regras de filtragem no arquivo_name ipf –F –a: redefine a tabela de regras ipfstat –I: concede acesso a algumas informações sobre os pacotes filtrados, bem como regras de filtragem ativas

Espero que você ache útil esta coleção de comandos básicos de rede do Linux. Dúvidas e sugestões são sempre bem-vindas.

Confira também a versão original desse post em inglês
Esse post foi originalmente escrito por Abhishek Prakash e publicado no site itsfoss.com. Tradução sujeita a revisão.

Basic Linux Networking Commands You Should Know

Propaganda
Blog Comments powered by Disqus.
Propaganda