Aha! Este projeto está trabalhando para trazer o Linux para os MacBooks M1 baseados em ARM da Apple

7 de janeiro de 2021

Linus Torvalds mencionou que gostaria de usar Linux nos novos laptops MacBook com o chip M1 - no entanto, ele acredita que não vale o esforço porque a Apple não iria ajudar em nada para conseguir isso.

Mas, agora, acabei de encontrar um projeto impressionante “Asahi Linux” que está tentando trazer o Linux para o MacBook.

O que é esse chip M1 da Apple e por que esse projeto deve ser um grande negócio?

Processadores ARM estão em cena há vários anos. Eles são usados principalmente no Raspberry Pi, como dispositivos IoT de baixo custo. Mas recentemente, a Apple lançou uma nova série de MacBook que usa o próprio M1 Chip baseado na arquitetura ARM e isso trouxe à ARM a atenção que merecia.

Primeiramente, nenhum consumidor comum compraria uma tecnologia cara como um MacBook com base em M1 para experimentar o Linux.

No entanto, a julgar pelos resultados de benchmark alucinantes no MacBook com base em M1 em execução no macOS, seria muito empolgante ver o desempenho do Linux nele com suporte adequado para o chip M1.

Mesmo que a Apple utilize Linux em seus servidores em nuvem, é uma pena que seus laptops baseados em M1 não o suportem.

Claro, eu não espero que a Apple suporte oficialmente o Linux também. Portanto, um projeto como o Asahi Linux pode fazer a diferença para muitas pessoas que desejam executar o Linux em seus Macbooks com o chip Apple M1.

Asahi Linux: Do que se trata?

Asahi Linux é um projeto que visa tornar o Linux utilizável em MacBooks baseados em M1 como máquinas usadas no dia a dia.

Atualmente, é apenas um esforço e não uma distribuição Linux separada para trazer o suporte Linux. No futuro, eles tentarão lançar um remix da edição ARM do Arch Linux como uma distribuição usando o nome do projeto.

Tecnicamente, a Apple permite a inicialização de kernels personalizados em macs Apple Silicon sem um jailbreak. Portanto, eles também não precisam de nenhuma permissão explícita da Apple.

De acordo com seu site oficial, eles mencionam:

Nosso objetivo não é apenas fazer o Linux rodar nessas máquinas, mas aperfeiçoá-lo a ponto de poder ser usado como um sistema operacional diário. Fazer isso requer uma enorme quantidade de trabalho a ser feito, pois o Apple Silicon é uma plataforma completamente não documentada. Em particular, faremos engenharia reversa da arquitetura de GPU da Apple e desenvolveremos um driver de código aberto para ela.

Claro, não é uma tarefa fácil e você também não deve confiar no projeto para tomar uma decisão de compra.

Mas, considerando que o Linux pode rodar basicamente em qualquer tipo de chip, se eles tiverem sucesso, será uma grande conquista para o Linux e para a comunidade de código aberto em geral.

O projeto também menciona que Hector Martin “marcan” iniciou este projeto após o lançamento dos mais recentes dispositivos M1.

Para lhe dar algumas informações sobre o nome, eles também mencionam:

Asahi significa “sol nascente” em japonês e também é o nome de uma cultivar de maçã.旭 り ん ご ( asahi ringo ) é o que conhecemos como Maçã McIntosh, a variedade de maçã que deu o nome ao Mac

Parece uma ótima escolha para o nome! Você não acha? Você pode verificar o progresso na página do projeto GitHub.

Asahi Linux no GitHub

Reflexões finais

Não se preocupe, este é um projeto totalmente legal e não deve se preocupar com a política da Apple de forma alguma. Você também deve observar que isso não tornará os chips de silício M1 da Apple uma plataforma aberta porque a Apple controla o processo de inicialização e o firmware, se você pensasse o contrário.

Você pode encontrar mais informações sobre o projeto e seu fundador em seu site oficial.

O que você acha disso? Deixe-me saber sua opinião nos comentários abaixo.

Confira também a versão original desse post em inglês
Esse post foi originalmente escrito por Ankush Das e publicado no site itsfoss.com. Traduzido pela rtland.team

Aha! This Project is Working to Bring Linux to Apple’s ARM-based M1 MacBooks

Propaganda
Blog Comments powered by Disqus.
Propaganda